domingo, 24 de março de 2019

Brasil 1-1 Panamá: Desilusão canarinha

A valente assobiadela com que os mais de 35 mil brasileiros brindaram os jogadores logo após o apito final de João Pinheiro é, por si só, bem ilustrativo daquilo que foram os 90 minutos. Para quem se deslocou ao Estádio do Dragão na esperança de testemunhar todos os predicados que, por norma, se aplicam à seleção canarinha, saiu certamente desiludido. Pouca velocidade no primeiro tempo e mais coração que cabeça na segunda parte. Em poucas palavras se resume este particular que, valha a verdade, teve bem mais espetáculo nas bancadas. Aí, o povo brasileiro não ficou aquém e ofereceu o espetáculo que se esperava. Muito barulho, festa e ruído ao máximo. Valeu por isso. Nas quatro linhas, Paquetá abriu as hostilidades para a canarinha, mas a resposta panamense surgiu sem demoras. Ainda que em posição duvidosa, Adolfo Machado fixou aquilo que nunca se esperava ser o resultado final.

Tudo apontava para um Brasil demolidor, pressionante e a dominar todos os momentos do jogo e, de facto, os primeiros minutos atestaram isso mesmo. A seleção do Panamá surgiu muito fechada, a jogar nos últimos 30 metros, com duas linhas de cinco defesas e quatro médios muito próximas. Por vezes, um dos médio dava dois passos em frente para se juntar ao homem mais avançado, Gabriel Torres, e assim importunar de forma um pouco mais efetiva a construção dos homens de Tite.

Por seu lado, o Brasil, armado num 4-2-3-1, com Casemiro e Arthur a formar o duplo pivô a meio campo e Paquetá como meio de ligação entre o setor intermediário e o ataque, ia basculando o seu jogo para um e outro lado, à procura de uma brecha na defensiva do Panamá. Nas alas, Alex Telles, em estreia, sentia o conforto de estar a jogar em casa, e aparecia com frequência em zonas adiantadas, ora a combinar com Coutinho, ora a cruzar para o matador que o Brasil, hoje, não teve. Do outro lado, Richarlison estava bem mais participativo e ia sendo o dínamo que municiava a maior parte dos ataques brasileiros. Tudo, sob escolta de um rapidíssimo Fágner.

Com dificuldades em penetrar na área panamense, foi sobretudo com tentativas de fora da área que os brasileiros colocaram em sentido um inspirado Meíja. Após o duplo aviso de Arthur, lá surgiu o golo, pelos pés de Paquetá – um dos melhores da formação brasileira -, depois de um cruzamento que Casemiro que teve tanto de inesperado como de eficaz.

Quebrada a resistência da formação da CONCACAF, tudo parecia encaminhado, mas a resposta deixou tudo de boca aberta. Na sequência de um livre, o capitão Adolfo Machado fugiu à marcação da defensiva e, ainda que aparentemente em posição irregular, atirou para o fundo das redes de um desamparado Ederson. No Dragão, os panamenses estavam em clara desvantagem mas a festa do golo, o primeiro da história contra o Brasil, foi festejado como se da final de um Mundial se tratasse.

Visivelmente em choque pela contrariedade sofrida, a reação canarinha não mais se fez sentir até ao momento em que Tite decidiu lançar no jogo Éverton e Gabriel Jesus. Antes, porém, já Rodriguez dava conta de que o golo do Panamá não surgira do nada e, logo para início de conversa no segundo tempo, obrigou Ederson a uma estirada para evitar o escândalo.

A partir daqui sim, os alarmes soaram e Richarlison decidiu arcar a responsabilidade de levar a equipa para cima da defesa do Panamá. Foi de um cruzamento de Fágner que o avançado do Everton atirou à trave, deixando a ideia de que o Brasil voltar a estar por cima do resultado seria uma questão de minutos.

A verdade é que as coisas não foram bem assim e, se Tite mexeu na equipa de forma cirúrgica (só Felipe Anderson foi também a jogo), do lado panamense o objetivo passava também por quebrar, com sucessivas paragens para alterações, o ritmo que o Brasil teimava em aumentar.

Até ao final, nem as investidas de Richarlison, que passou por meia equipa do Panamá antes de Meíja lhe negar o golo, e Casemiro, que cabeceou à trave após um canto, foram suficientes para desmontar uma cada vez mais cerrada defesa do Panamá. Pouco, muito pouco para quem pode e deve mostrar muito mais.
Ler Mais 📰


Partilha :

sábado, 23 de março de 2019

Próximo jogo do Benfica


🏆27ª Jornada da Liga NOS
⚽Benfica x Tondela
🏟Estádio da Luz 
📅30-03-2019
⏰20:30
📺Benfica TV
Ler Mais 📰


Partilha :

LAKERS E LeBRON OFICIALMENTE FORA DOS PLAYOFFS


Os Los Angels Lakers perderam esta madrugada para os Brooklyn Nets por 111-106 e estão afastados da possibilidade de jogarem os playoffs.
A franquia de Los Angels, Califórnia , não participa dos playoffs desde a temporada 2013/2014 quando terminou a campanha com um péssimo registo de 27 vitórias e 55 derrotas.
Com os Lakers, sucumbiu também o ala LeBron James, interrompendo uma marcha de participação nos playoffs que durava desde a temporada 2004-2005.
Os Los Angels Lakers, um gigante da NBA, deverão agora virar as baterias para a próxima temporada, atacando o mercado já na próxima offseason, com o objetivo de ultrapassar o jejum.
O GIGANTE ESTÁ DE RASTOS..
Ler Mais 📰


Partilha :

RESULTADOS FINAIS: Europa - Qualificações para Euro 2020 1ª Jornada

RESULTADOS FINAIS

GRUPO A

Inglaterra 5-0 Rep. Checa
24' [1-0] Sterling
45+2' [2-0] Harry kane (pen.)
62' [3-0] Sterling
68' [4-0] Sterling
84' [5-0] Kalas (a.g.)

GRUPO B

Luxemburgo 2-1 Lituânia
14' [0-1] Cernych
45' [1-1] Barreiro Martins
55' [2-1] Rodrigues

Portugal 0 - 0 Ucrânia

GRUPO H

Moldávia 1-4 França
24' [0-1] Griezmann
27' [0-2] Varane
36' [0-3] Giroud
87' [0-4] Mbappé
89' [1-4] Ambros

Andorra 0-2 Islândia
22' [0-1] B. Bjarnason
80' [0-2] Kjartansson

Albânia 0-2 Turquia
21' [0-1] Burak Yilmaz
55' [0-2] Çalhanoglu
Ler Mais 📰


Partilha :

sexta-feira, 22 de março de 2019

Portugal 0-0 Ucrânia: Conservadorismo a mais de Fernando Santos

À semelhança do que aconteceu nas fases de qualificação para as duas últimas grandes competições internacionais, Portugal começou a caminhada rumo ao Euro'2020 com o pé esquerdo. Esta sexta-feira, na receção à Ucrânia, a Seleção Nacional teve sempre o domínio do encontro (Rui Patrício foi praticamente um espetador), mas não conseguiu desfazer a muralha amarela que se instalou à frente das redes de Pyatov.

Fernando Santos apostou numa defesa composta por João Cancelo, Pepe, Rúben Dias e Raphael Guerreiro, atrás de um meio-campo a três, com Rúben Neves, William Carvalho e João Moutinho. A frente de ataque ficou à mercê de André Silva, Bernardo Silva e Cristiano Ronaldo.

De resto, seria o capitão de Portugal (não representava a seleção desde o Mundial) a liderar as investidas mais perigosas nos primeiros 45 minutos. Após um primeiro remate perigoso de Pepe, Ronaldo surgiu pela esquerda em duas ocasiões, mas viu Pyatov responder com duas excelentes intervenções.

A Ucrânia remetia-se ao seu meio-campo, a tentar fechar os caminhos da baliza do seu guardião. Rui Patrício foi praticamente um espetador, especialmente na segunda parte.

A etapa complementar mostrou um domínio ainda mais acentuado da Seleção Nacional. André Silva esteve perto de inaugurar o marcador em duas ocasiões, mas o capitão ucraniano continuou a brilhar, tendo travado um remate com um voo espetacular.

Portugal continuou a pressionar. Tentou pelos dois lados, por cima e por baixo, mas ficou a sensação que poderia ter decidido melhor em alguns lances. A certa altura, a Seleção Nacional instalou-se no meio-campo adversário, com todos os jogadores, à exeção de Rui Patrício, a ocuparem os últimos 50 metros de relvado.

Fernando Santos ainda lançou Rafa, João Mário e Dyego Sousa, que se tornou no sétimo jogador naturalizado a representar a seleção lusa, uma década depois de Liedson ter estado nesse papel, mas apesar das oportunidades, o nulo manteve-se até final.

Este resultado deixa Portugal e Ucrânia empatados no segundo lugar do Grupo B, atrás do Luxemburgo, que venceu a Lituânia por 2-1.
Ler Mais 📰


Partilha :

Portugal-Ucrânia: Veja os onzes iniciais

🏆 Qualificação UEFA Euro
⚽ 🇵🇹 x 🇺🇦
⏰ 19h45
🏟️ Estádio da Luz
A Seleção Nacional recebe esta sexta-feira a Ucrânia no primeiro jogo de ambas as equipas na fase de apuramento para o Euro'2020.

Portugal: Rui Patrício; João Cancelo, Pepe, Rúben Dias e Raphael Guerreiro; Rúben Neves, William Carvalho e João Moutinho; Bernardo Silva, André Silva e Cristiano Ronaldo.

Suplentes de Portugal: José Sá, Beto, Fonte, Nélson Semedo, Mário Rui, Danilo, João Mário, Pizzi, Diogo Jota, João Félix, Rafa e Dyego Sousa.

Eis a equipa inicial da Ucrânia: Pyatov; Karavaev, Matviyenko, Kryvtsov e Mykolenko; Malinovskyi, Stepanenko e Zinchenko; Marlos, Yaremchuk e Konoplyanka.

Suplentes da Ucrânia: Boyko, Lunin, Butko, Sobol. Burda, Shaparenko, Kravets, Bukyalskiy, Tsygankov, Sydorchuk, Júnior Moraes e Bezus.


Ler Mais 📰


Partilha :

Ciclone que atingiu sul da África pode ter matado mais de 1 mil em Moçambique


Nesse 21 de março, nosso coração também está no Sul da África, assolada por um extremo climático. Moçambique, Zimbábue e Malauí podem ter perdido milhares de pessoas. Os efeitos das mudanças climáticas são mais drásticos para os de baixo.

O ciclone que atingiu Moçambique destruiu a segunda maior cidade do país e matou centenas de pessoas. Uma tragédia terrível. Nossa solidariedade ao povo moçambicano.
Ler Mais 📰


Partilha :