2019-10-10

Não será demasiado cedo?!


Partilha :
A precariedade de um treinador no comando técnico - A saída iminente de Giampaolo do AC Milan.

7 jogos.

Foi quanto os adeptos e estrutura do AC Milan toleraram a um treinador que tinha feito performances de bom nível no Empoli (sucedendo a Sarri) e na Sampdoria (o que os adeptos dariam para ter Marco de volta!).

Maldini escolheu Giampaolo para que o Milan voltasse a ter uma identidade forte.

4 derrotas e 3 vitórias e uma saída do comando técnico que ainda hoje se pode confirmar.

Ainda assim, não será demasiado cedo? Será Giampaolo o único culpado da fase negativa do clube?

Façamos o seguinte exercício:
O passado recente do Milan já foi analisado previamente aqui na Recepção Orientada.

Desde há 8 anos que o "gigante adormecido de Milão" não vence a Serie A.

Desde há 8 anos que o clube entrou numa fase negativa, de profunda instabilidade, quer diretiva, quer técnica e de plantel, numa "gritante" ausência de identidade e de referências no clube.

Desde há 8 anos que o clube se distancia dos lugares de Champions, e dos rivais, que para lá da crónica campeã Juventus e um seguro Nápoles de Ancelotti, junta-se agora o Inter de Conte que está nitidamente a crescer a olhos vistos e poderá ser um candidato a títulos.

O treinador Giampaolo assumiu o comando técnico de um clube, que além disso, encontra-se com restrições orçamentais fruto de medidas tomadas pela UEFA de Fair-Play financeiro, por culpa de dívidas ainda do legado Berlusconi.

Como pode uma estrutura/adeptos, por culpa de tudo o que está aqui descrito, exigir mais ainda a Giampaolo?

Em que o plantel tem um Donnaruma que é de facto um GR de potencial, mas o resto da defesa não tem solidez, com Calabria, Musacchio, Romagnoli e Rodriguez?

No meio-campo, Kessie esteve com um pé fora do clube, Çalhanoglu tarda em demonstrar todo o potencial demonstrado na Alemanha, Biglia acumula sucessivas lesões, Paquetá apenas é um jogador excecional no último terço e os ex-Empoli Bennacer e Krunic não têm ainda o nível exigível para jogar num AC Milan.  

No ataque, Borini e Castillejo não demonstram regularidade e qualidade exibicional, Bonaventura perdeu a época passada por lesão no joelho e só agora começa a regressar, Piatek vive uma seca de golos, e Rebic e Leão chegaram ao clube há pouco mais de 1 mês.

Por tudo isto apenas se constata a cada vez maior precariedade de um treinador, no comando técnico de um clube, em que se exigem vitórias e regularidade exibicional, não para ontem, mas para meses/anos atrás, num período de irregularidade nas decisões da própria direção.
E um paradoxo.

Na realidade o que deveria acontecer seria o contrário: dar tempo, permitir que os jogadores conheçam a fundo o treinador, e vice-versa, dar tempo para construir uma identidade forte, fruto da solidificação de processos, dar tempo para construir um bloco forte com base em referências no 11 e no balneário.

Apesar de tudo isto, 1 mês e meio de competição e será destituído do comando técnico.

Segundo notícias mais recentes, o seu sucessor será Stefano Pioli…Não será mais do mesmo? Treinador italiano que nos últimos anos foi despedido do Inter, despedido da Fiorentina…

Não se avizinha, portanto, um bom futuro, para um clube que em tempos foi o AC MILAN, hoje é um ac milan.

Sem comentários:

Enviar um comentário